You are here
Home > Espiritualidade > Nossa Senhora > Uma breve história de Nossa Senhora de Lourdes

Uma breve história de Nossa Senhora de Lourdes

Há quase duzentos anos, Lourdes é um lugar marcadamente mariano. Foi ali que Bernadette, uma adolescente muito calada, iletrada e de família muito pobre teve 18 aparições de Nossa Senhora. Conheça aqui um pouco sobre esta história:

Lourdes na história da França

Situado em local estratégico, a poucos quilômetros da fronteira com a Espanha, Lourdes tem um castelo-fortaleza medieval, próximo à gruta que posteriormente seria cenário das aparições de Nossa Senhora. A construção primitiva teria sido feita por um sarraceno que, vencido por Carlos Magno, aceitou ser batizado com o nome de Lorus, vindo daí o nome Lourdes para o povoado.

O castelo foi alterado várias vezes, com modificações que visavam a proteção do vale. Na Guerra dos Cem Anos a França tomou a região dos ingleses. Somente em 1858, com as aparições de Nossa Senhora, Lourdes deixou de ser um local de tradição militar para se tornar um centro mariano.

O Sinal da Cruz

Bernadette Soubirous

Bernadette Soubirous tinha 14 anos e saúde debilitada. Com todas as dificuldades impostas pela saúde e a progressiva pobreza da família, Bernadette não havia estudado e falava somente o dialeto da região de Lourdes. A catequese era dada em francês, que ela não compreendia bem, e por isso ainda não lhe tinha sido permitido receber a Primeira Comunhão.

Na primeira aparição, em 11 de fevereiro de 1858, Nossa Senhora nada lhe disse, mas lhe deu uma primeira lição de catequese: ensinou-a a fazer bem o Sinal da Cruz! Depois dessa experiência, Bernadette por toda vida fez o Sinal da Cruz de maneira inigualável e inesquecível, como reflexo dos gestos da Mãe de Deus.

Muitos que viram Bernadette fazendo o Sinal da Cruz se converteram e alcançaram curas.

O terço de seis dezenas

Sem saber o que fazia, tomei o terço e ajoelhei-me. A Senhora aprovou com um sinal de cabeça e passou para os seus dedos um terço que trazia no braço direito.

Nesta descrição da primeira aparição, Bernadette menciona que Nossa Senhora trazia consigo um terço, com o qual acompanhou a oração da menina, passando seus dedos pelas contas.

Nas descrições sobre a aparição, registra-se que o terço de Nossa Senhora era de contas brancas, encadeadas em ouro. Uma curiosidade é que a imagem da Virgem Coroada, que domina o Santuário de Lourdes, tem no braço um terço de seis dezenas. Isso é explicado pelo fato de que até o final do século XIX era comum em várias regiões da Europa (incluindo a região de Lourdes) acrescentar-se uma sexta dezena pelas almas a cada terço.

Alguns relatos populares sobre Lourdes trazem um diálogo no qual Bernadette, tendo terminado seu terço na primeira aparição, ao ver que nas mãos de Nossa Senhora ainda havia mais uma dezena, indaga a que se referiam essas contas, ao que a Virgem responde: “Estas contas são pelos mortos”.

As penitências e a fonte milagrosa

Bernadette na gruta, em 1863

Nossa Senhora vai ensinando a Bernadette algumas formas de devoção que deseja naquele local. Bernadette orienta as pessoas a imitarem seus gestos, ajoelhando-se e beijando o chão em penitência, por indicação da Senhora. Inicialmente com alguma resistência, os fiéis começam a praticar o que é indicado.

Certa vez, Nossa Senhora diz a Bernadette que coma uma erva que crescia entre as rochas, também em penitência. Mas em outra ocasião, a menina surpreende a todos, escavando o chão com as mãos, enlameando o rosto e bebendo da água que mal brotava ali. Logo se espalha a decepção: Bernadette só podia estar mesmo louca!

Mas a fonte começa a jorrar, sendo até hoje veículo de graças e curas, muitas delas comprovadamente milagrosas. A água de Lourdes é “simples água pura”, sem nenhuma propriedade química excepcional. As curas verificadas são simplesmente inexplicáveis, a não ser pela fé.

Os segredos

Uma característica particular das aparições em Lourdes é que os colóquios com Nossa Senhora têm um caráter bastante particular: Bernadette parece ser preparada para sua missão com a oração e a penitência – na qual tem longa prática pela vida de privações. De todas as 18 manifestações, Bernadette comunica muito pouco. Seu silêncio e sua docilidade às orientações da Senhora servirão de base para que os acontecimentos extraordinários comecem ainda durante as aparições.

Na altura da sétima aparição, Bernadette diz que a Senhora lhe confiou três segredos e uma oração somente para ela, que deveria rezar todos os dias, até o fim da vida. Assegurou que os segredos só se referiam a ela mesma, não tendo relação com a França ou a Igreja.

A Senhora se apresenta

No dialeto de Lourdes: “Eu sou a Imaculada Conceição”

Já haviam acontecido 12 aparições sem que Bernadette soubesse quem era a Senhora que via na gruta. Na 13ª aparição, Nossa Senhora diz:

«Vai dizer aos sacerdotes que tragam o povo aqui em procissão e que me construam uma capela.»

O confessor de Bernadette, incomodado com o pedido, pergunta quem é a Senhora e pede um sinal. Nas três aparições seguintes Bernadette pergunta o nome da Senhora, mas Ela apenas sorri. Passam-se 20 dias sem que Bernadette volte à gruta. No dia 25 de março, seguindo a urgência interior de ir até o local, encontra novamente a Senhora. Na terceira vez que lhe pergunta quem é, a Senhora responde:

«Eu sou a Imaculada Conceição.»

Bernadette vai até o pároco, repetindo essas palavras desconhecidas pelo caminho, para não esquecê-las. O dogma da Imaculada Conceição havia sido proclamado pelo Papa Pio IX em 1854 e era impossível que uma menina iletrada tivesse conhecimento de seu significado. O pároco, ao ouvir a resposta da Senhora, mal conteve as lágrimas.

Os pedidos

Pio XII resume a mensagem de Lourdes:

Com compaixão maternal [Maria] percorre com o olhar este mundo redimido pelo sangue de seu Filho, onde, infelizmente, o pecado faz cada dia tantas devastações, e por três vezes lança o seu apelo premente: “Penitência, penitência, penitência!” Gestos expressivos são, mesmo, pedidos: “Ide beijar a terra em penitência pelos pecadores”. E ao gesto há que juntar a súplica: “Rogareis a Deus pelos pecadores”.
Tal como no tempo de João Batista, tal como no início do ministério de Jesus, a mesma injunção, forte e rigorosa, dita aos homens a trilha da volta a Deus: “Arrependei-vos” (Mt 3,2; 4,17). E quem ousaria dizer que esse apelo à conversão do coração perdeu, nos nossos dias, a sua atualidade?”

 

Transmissão direto da Gruta de Lourdes

 

Bibliografia:

Veja também:

Totus Mariae
Totus Mariae
Comunidade Totus Mariae

Deixe uma resposta

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Top